.

.

sábado, 6 de maio de 2017

BENQUISTO DENTRO DO CÁRCERE

Em 20 meses de prisão no Complexo Médico-Penal em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, o ex-ministro José Dirceu conquistou uma posição de liderança entre os presos da galeria e deixou uma contribuição.
Trabalhando para reduzir a pena a que foi condenado, ele foi responsável por catalogar com a ajuda de outro preso todos os livros da biblioteca da unidade penitenciária.
Também era ele quem indicava e distribuía os livros para os detentos, de acordo com o perfil de cada um. Era ainda uma espécie de auxiliar da professora responsável, na unidade, pelo Programa Remição da Pena pela Leitura. Ele próprio foi um dos alunos do projeto.
Os presos que participam do programa precisam ler uma obra literária e produzir uma resenha por mês, escrita, reescrita e finalizada sob a orientação e avaliação de um professor.
Cada nota 6 representa 4 dias a menos de prisão. Na Biblioteca, Dirceu tinha jornada de trabalho de 6 a 8 horas diárias, até o limite de 44 horas semanais. Cada três dias trabalhados podem resultar em um dia a menos de prisão.
Na primeira instância da Justiça Federal em Curitiba, o ex-ministro, que tem 72 anos, foi condenado a penas que somam pouco mais de 32 anos de reclusão.
O advogado de José Dirceu, Roberto Podval, diz que não costuma falar sobre detalhes da vida dos clientes na prisão. Mas afirma que o ex-ministro demonstrou uma força de espírito incomum e que era bem-quisto dentro do cárcere.
“É impressionante o que ele, ali, um homem de 70 anos de idade, condenado a mais de 30 anos, com uma filha de 5 anos, a energia, a força. Ele é, até onde eu sei, muito querido por todos os presos. Do mais simples preso que tem ali, ao mais importante. O que eu posso dizer é que de fato foi uma lição de vida ver um homem como José Dirceu, vivenciar ele preso ali”, relata o advogado.
O diretor do Departamento Penitenciário do Estado, Luiz Alberto Cartaxo, disse há alguns dias que a idade, a vivência e a formação de José Dirceu fizeram dele uma liderança natural na sexta galeria, onde estava preso.
“Ele funciona como um interlocutor. E na condição de interlocutor acaba exercendo naturalmente uma liderança. Sempre existe aqueles presos, um preso, ou um grupo de presos que faz o contato e que fazem as interlocuções. Isso é normal. Um certo respeito que os demais têm por ele. Ele talvez seja o que estava há mais tempo lá também. O tempo de permanência, antiguidade também é posto na cadeia”, afirma.
Na quarta-feira (3 de maio), quando foi solto, José Dirceu completou um ano e nove meses de prisão em decorrência da operação Lava Jato.
Desses 21 meses, ele passou maior parte no Complexo Médico Penal em Pinhais. Apenas no primeiro mês de prisão permaneceu na carceragem da Polícia Federal da capital paranaense.
José Dirceu foi preso em 3 de agosto de 2015, na casa em que morava em Brasília. Ele foi o principal alvo da 17.ª fase da Lava Jato, chamada de Operação Pixuleco.
Tornozeleira eletrônica
Após ser libertado nessa quarta-feira (3), o ex-ministro chegou em seu apartamento em Brasília nesta noite de quinta-feira (4), onde foi recebido por manifestantes. Dirceu foi solto um dia após a decisão da segunda turma do STF que, por maioria, entendeu que havia excesso de prazo na sua prisão preventiva.
O juiz federal Sérgio Moro determinou que o ex-ministro deve utilizar o equipamento para cumprir as medidas cautelares impostas pelo juízo. “Embora tais medidas não previnam totalmente eventual fuga, pelo menos a dificultam”, alegou Moro.
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário