.

.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

GERAÇÃO DE DEPUTADOS TUITEIROS

Por Ardilhes Moreira do G1, em São Paulo

A Câmara dos Deputados vai receber, a partir de fevereiro de 2011, sua primeira geração de deputados tuiteiros. De acordo com levantamento do G1, ao menos 375 deputados eleitos em outubro de 2010 criaram perfis no serviço de microblog. O total representa 73% dos 513 deputados federais.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu aderir: disse na última quarta (24) que vai se tornar “tuiteiro” e “blogueiro” após deixar o governo. O Twitter foi criado em 2006 e ganhou destaque no Brasil em 2008. Boa parte dos políticos mais ativos na rede social a usaram intensamente durante o mandato que se encerra em dezembro.

Entre os que já utilizaram a ferramenta neste mandato está o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA). “Desde que o Twitter foi lançado eu comecei a trabalhar com ele porque aproxima do eleitor”, comenta. Reeleito, ele utilizou parte das mais de 10 mil mensagens postadas para divulgar a candidatura.

“Eu diria que o principal evento que eu fiz de campanha, não pela presença quantitativa, mas pela qualidade das pessoas, foi um encontro com os tuiteiros”, disse o deputado, que usa o perfil @acmnetodeputado. Segundo o deputado, o encontro reuniu 250 pessoas. “Normalmente faço do celular. Ou do Iphone ou do computador de mão”, diz ACM Neto, que conta acessar o site em média três vezes por dia.

O ex-vereador Gabriel Chalita (PSB-SP) será um dos novatos na Câmara e veterano no Twitter com o perfil @gabriel_chalita. Ele afirma que responde pessoalmente seus seguidores e posta as mensagens. Boa parte delas não tem como tema a política.“Gosto de interagir com as pessoas. Tento dar uma mesclada das coisas que eu escrevo”, disse.

O deputado eleito avalia que os temas futebol, comida e frases poéticas são os mais retuitados. “Às vezes coloco coisas mais poéticas, eles pedem muito”, conta. Citações de escritores ou frases do próprio deputado são comuns no encerramento do dia.

Mas a política está presente na rede. Ele conta que já chegou a apresentar e aprovar projeto na Câmara Municipal de São Paulo, sobre crianças desaparecidas, cujo tema lhe foi apresentado via Twitter. Apesar da atividade constante, ele agora prefere evitar o uso do celular. “Teve época que estava usando celular, e vi que não estava dando atenção para quem não está comigo”, avalia.

Por isso, os deslocamentos para Brasília e as horas de espera no aeroporto não devem ser usadas para o microblog. “As relações pessoais são muito legais, mas não podem roubar essa beleza que é a relação real”, disse. “Tem que ter um equilíbrio”, avalia.

Bookmark and Share

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

OS NÔMADES DA POLÍTICA CEARENSE

Nos bastidores uma queda de braço foi travada entre o presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) e governador de Pernambuco, Eduardo Campos e o deputado federal Ciro Gomes (PSB-SP). Ciro perdeu e viu sua possível terceira candidatura à Presidência da República ir por água abaixo.

Ciro percebeu que não tem força dentro do Partido, nem a direção estadual do PSB sob o comando do irmão governador Cid Gomes foi o suficiente para que ele tivesse o controle do partido como pretendia quando chegou em 2003 com a família Ferreira Gomes.

Magoado e ferido, Ciro deu um tempo na politica por alguns dias e foi curar as feridas, como disse em entrevista à tv. Voltou disposto a obedecer ao que lhe foi ordenado pelo PSB: apoiar a candidatura petista à Presidência da República. Ele seguiu o script.

Ciro só seguiu a risca às ordens do partido porque acalenta voltar à Brasília como ministro do governo Dilma e sendo assim, a tal cota do PSB no nordeste estaria preenchida na Esplanada dos Ministérios. Mas novamente os interesses de Gomes e Campos se chocam, o governador de Pernambuco quer emplacar o nome de alguém mais próximo do Campo das Princesas.

Vendo que pode naufragar sua indicação para ocupar algum ministério, Ciro Gomes já se movimenta nos bastidores para desembarcar pela sexta vez em outra legenda; num partido que os Ferreira Gomes possam chamar de seu.

Pensando nisso, os irmãos neo-socialistas Ivo, Cid e Ciro Gomes (foto) pretendem arrumarem as malas para mais uma aterrisagem partidária, desta vez os nômades da politica cearense desejam desembarcar no Partido Republicano Brasileiro (PRB), que tem como estrela maior, o vice-presidente da República José Alencar.

Bookmark and Share

MARINA SILVA, TOP 100

A revista norte-americana Foreign Policy divulgou neste fim de semana a lista dos 100 maiores pensadores globais de 2010. Para montar seu ranking, a publicação ficou de olho no que chamou de "ascensão do resto" --países que passaram de figurantes a protagonistas na cena global. E a "diplomacia impaciente" do Brasil tem muito a ver com essa promoção, segundo a "FP".

Dois brasileiros estão nesta seleta lista: a ex-ministra do Meio Ambiente e senadora Marina Silva ocupa a 32ª colocação e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim está 6ª posição, atrás apenas de figurões como Bill Gates e Warren Buffett (empatados em 1º) e Barack Obama (3º).

Marina teria "surpreendido a todos ao forçar um segundo turno na corrida presidencial de seu país", alcançando a votação mais expressiva do PV no Brasil.

Após o fiasco na cúpula climática em Copenhague, em dezembro passado, "2010 se transformou no ano dos verdes e, mais especificamente, das mulheres verdes", afirma a "FP".

Bookmark and Share

domingo, 28 de novembro de 2010

FRAGMENTOS DE UMA VIDA


Lançada recentemente Fragmentos de uma Vida, biografia da ex-primeira-dama Ruth Cardoso que faleceu em junho de 2008 mostra com riqueza de detalhes a vida de uma das mais importantes e discretas personalidades brasileiras das últimas décadas.
Escrita pelo jornalista, cronista e escritor Ignácio de Loyola Brandão, é a única biografia de Ruth Cardoso que conta com sua participação pessoal.
O autor realizou a partir de entrevistas exclusivas com a biografada, que por sua vez indicaram outras centenas de entrevistados, além de fatos e dados.
No estilo Ignácio de Loyola Brandão, a narrativa tem uma leveza, um tom das melhores crônicas escritas por ele nos seus livros e semanalmente nos jornais. Imperdível !!!
Bookmark and Share

IMAGEM DO DIA

Policiais seguram bandeira do Brasil na parte superior de teleférico em obras no alto do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, neste domingo, 28, após invasão e ocupação do Complexo do Alemão.

Após a reconquista do Complexo do Alemão pelos policiais na manhã deste domingo, o governador Sérgio Cabral ligou para o comandante da operação e agradeceu a todos os policiais que participaram desta retomada do território.

Bookmark and Share

AGORA É QUE SÃO ELES

Por Dora Kramer colunista do O Estado de S. Paulo

Fechada a equipe econômica, acertados os nomes dos chamados ministros da casa - com assento no Palácio do Planalto, junto à presidente - ainda neste fim de semana Dilma Rousseff começa a tratar com os partidos aliados da distribuição dos espaços na Esplanada dos Ministérios.

Pela expectativa do PMDB, o partido do vice-presidente Michel Temer será o primeiro. Os peemedebistas têm duas preocupações: assegurar posições "qualificadas" e encaminhar as negociações sem pressões ruidosas, a fim de se diferenciar das demais legendas e evitar comportamentos explicitamente fisiológicos.

E por que isso? Porque considera que, uma vez eleito na mesma chapa com Dilma, subiu de grau na hierarquia: não pode ser visto como adesista; deve se conduzir e ser tratado como legítimo partícipe digno de postos de elite.

O PT ocupa mais ministérios e faz parte do núcleo de poder? O PMDB diz que é justo, mas aponta que por isso mesmo os petistas não podem querer açambarcar o comando do Legislativo. A direção do partido assegura que até agora a presidente não enviou nada além de "sinais de prospecção". Não disse claramente o que pretende para o parceiro de chapa.

Já o PMDB acredita ter deixado bem entendido o que almeja: garantir a atual parte que lhe cabe no latifúndio de 37 ministérios. Mas só os efetivamente ocupados pelo partido. Contando com o Banco Central, hoje são sete as pastas dirigidas por filiados ao partido.

Mas a direção não considera que José Gomes Temporão, da Saúde, e Henrique Meirelles, do BC, sejam indicações partidárias. Nesses dois casos o PMDB diz que foi usado como "barriga de aluguel". Situação que não vai aceitar.

Excluídas as "barrigas", sobrariam cinco ministérios: Defesa, Comunicação, Integração Nacional, Minas e Energia e Agricultura.

Não se espera que Dilma mantenha necessariamente as mesmas pastas, mas que assegure a quantidade, não escale o partido para pastas periféricas e aceite as indicações dos nomes feitas por intermédio de Michel Temer sem questionar.

Em contrapartida, o PMDB se compromete a obedecer aos três critérios já postos pela presidente: densidade de apoio político, experiência na área específica e imunidade pessoal a possíveis escândalos.

Temer é o único interlocutor/negociador autorizado e, ao contrário do que ocorreu nos dois mandatos de Lula, os indicados terão o respaldo unitário e não das alas a, b ou c do partido. Daí a expectativa de que sejam aceitos.

Só serão indicados "homens do partido" e na seguinte proporção: dois para a Câmara, dois para o Senado e um para livre provimento do vice e presidente do PMDB, Michel Temer.

E se a presidente não concordar com nada disso?

O PMDB acha que Dilma Rousseff é sagaz o bastante para compreender o que não precisa ser dito por escrito.

Fora de cena. A presidente eleita desistiu de acompanhar Lula à reunião da Unasul, não aceitou convite de Barack Obama para ir aos EUA antes da posse, não apareceu no anúncio da equipe econômica.

É só reparar: Dilma tem se comunicado com o País por nota oficial. Na crise que atinge o Rio de Janeiro, soube-se que ela telefonou para o governador Sérgio Cabral, mas a presidente não apareceu em momento algum.

Aliás, Dilma Rousseff não aparece desde que acompanhou o presidente Lula à reunião do G-20. Na ocasião, foi mais assediada pela imprensa do que ele.

Esse fato associado ao "sumiço" faz supor que Dilma tem feito um afastamento estratégico exatamente para não roubar a cena de Lula nesses últimos momentos de mandato.

Se o fez por iniciativa própria ou a pedidos, não está claro.

Na primeira hipótese, um gesto de cortesia; na segunda, ato de obediência.

Cacoete. Em tese, ações integradas entre os diferentes níveis de poder, federal, estadual e municipal, não deveriam estar subordinadas a afinidades político-eleitorais, e sim ao bem estar do público pagante (de impostos).

Bookmark and Share

sábado, 27 de novembro de 2010

RECUPERAÇÃO

Após 5 horas, cirurgia do vice-presidente José Alencar chega ao fim. Por volta de 14h30 a cirurgia de desobstrução do intestino de Alencar foi finalizada.
Boletim médico divulgado pelo hospital Sírio-Libanês disse que a operação "atingiu seus objetivos".

Segundo o boletim médico o vice-presidente José Alencar se recuperará da cirurgia na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) cardiológica do hospital, mas não divulga maiores informações sobre o estado de saúde dele.

José Alencar luta há 15 anos contra um câncer na região do abdome e essa é a 16ª cirurgia a que ele é submetido.

Bookmark and Share

MUSEU DO TRABALHADOR

Berço do PT e palco do movimento sindical onde fez surgir Luiz Inácio Lula da Silva, a cidade do ABC paulista, São Bernardo do Campo deverá construir o Museu do Trabalhado e do Trabalhador (foto). O objetivo é tornar o espaço, dedicado à história das relações trabalhistas da cidade e região do ABC, conhecido internacionalmente.

O edital para construção será lançado até dia 30 de novembro e a construção tem previsão de início para março de 2011. A conclusão é estimada para 12 meses. O museu no ABC será construído no local do antigo prédio do Mercado Municipal, região central do município, que foi desativado em 2004.

O investimento de R$ 18 milhões faz parte do convênio que a prefeitura de São Bernardo do Campo tem com o Ministério da Cultura. O Museu do Trabalhar contará às várias fases da história do trabalho em São Bernardo, assim como o Museu do Futebol, na capital, faz com a história do esporte no Brasil.

Segundo o prefeito Luiz Marinho (ex-ministro do Trabalho e da Previdência Social no governo Lula), o museu vai utilizar recursos de artes gráficas e visuais, tecnologia 3D e digital que também vai permitir dispor todo o acervo para o mundo.

No museu do Futebol, a bola da vez é o jogador Pelé, no Museu do Trabalhador no ABC, a grande estrela será o presidente Lula.

Bookmark and Share

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A AMNÉSIA DE GAROTINHO

Por Lauro Jardim da coluna Radar Online

Anthony Garotinho tem usado o seu blog durante a semana para bombardear Sérgio Cabral de críticas. Justas ou não, é como se o próprio não tivesse sido governador e secretário de segurança do Rio em anos anteriores. Analisa Garotinho:

- Volto a repetir pela milionésima vez, sem entrar no Alemão não vai se desarticular o Comando Vermelho.

Por acaso a família Garotinho, nos oito anos em que esteve no poder, desarticulou o Comando Vermelho ou qualquer outra facção do crime organizado?

Bookmark and Share

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

MORRE EXPEDITO MACHADO

Morreu nesta quinta-feira (25), o ex-deputado federal Expedito Machado, aos 91 anos, vítima de câncer. Ele estava internado no Hospital Klinikun, em Fortaleza (CE).

Expedito Machado da Ponte nasceu no dia 15 de junho de 1919, em Cratéus, sertão cearense. Foi deputado estadual e deputado federal.

Expedito Machado também foi ministro da Viação e Obras Públicas (Ministério dos Transportes) no governo João Goulart.

O ex-ministro deixou a carreira política em 1991, ao fim da legislatura na Câmara dos Deputados, se dedicando a atividades empresariais.

Expedito Machado é pai do ex-senador e atual presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

O velório acontece na Funerária Ternura, na Avenida Padre Valdevino. A missa será realizada às 14h30 e o sepultamento está previsto para 16h, no Parque da Paz, em Fortaleza.

Bookmark and Share

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

OS BLOGUEIROS COM O PRESIDENTE

O presidente Lula participa hoje (24), às 9h00 da manhã no Palácio do Planalto, em Brasília, da primeira entrevista coletiva à blogosfera. O presidente será entrevistado por um grupo de dez blogueiros escolhidos em agosto pela organização do I Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, realizado em São Paulo. Uma seleta lista de blogs companheiros.

Os participantes: Altamiro Borges (Blog do Miro), Altino Machado (Blog do Altino), Cloaca (Cloaca News), Eduardo Guimarães (Blog da Cidadania), Leandro Fortes (Brasilia Eu Vi), José Augusto (Amigos do Presidente Lula), Pierre Lucena (Acerto de Contas), Renato Rovai (Blog do Rovai), Rodrigo Vianna (Escrevinhador) e Túlio Vianna (Blog do Túlio Vianna).

A entrevista coletiva do presidente Lula aos companheiros blogueiros será transmitida ao vivo pelo Blog do Planalto, pelos blogs que participarão e por outros blogs e sites interessados em retransmiti-la. Os internautas podem participar também via Twitter @blogplanalto. O blog Sou Chocolate e Não Desisto também irá transmitir a entrevista.

Bookmark and Share

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

AGRESSÃO AMBULANTE

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab participava da Virada Esportiva quando foi surpreendido por um vendedor ambulante que agrediu o prefeito com um saco de garragas de àgua. O vendedor reclamava da fiscalização da prefeitura contra o comércio ilegal nas ruas de São Paulo. Veja o vídeo.

Bookmark and Share

NAS ONDAS DO RÁDIO

O vereador sobralense, Marco Prado, o chocolate participará nesta terça-feira (23), do Programa Ferreira Neto, ao vivo, na Rádio Tupinambá, a partir das 16 horas, horário de Brasília.
O programa será transmitido pelo site da emissora e também pelo blog Sou Chocolate e Não Desisto. O ouvinte pode participar através do telefone 88 3614-8282.
Bookmark and Share

domingo, 21 de novembro de 2010

EDUARDO CAMPOS NAS PÁGINAS AMARELAS

Em entrevista ao repórter Leonardo Coutinho nas Páginas Amarelas da revista Veja desta semana, o presidente nacional do PSB e governador reeleito de Pernambuco, Eduardo Campos fala como reduziu os índices de violência no estado, eleições 2010 e como o futuro governo de Dilma Rousseff deve agir para conter a fome dos partidos por cargos. Eduardo Campos condena o loteamento de cargos, o corporativismo e defende a meritocracia. Confira abaixo a íntegra da entrevista.

O PSB era partido nanico. Em outubro, elegeu seis governadores, 35 deputados e mais três senadores. Como passará a se comportar?

De fato, mudamos de patamar. Seremos responsáveis por esses governos estaduais e teremos deveres também no governo da presidente Dilma Rousseff, que ajudamos eleger. Não reivindicaremos cargos, mas queremos discutir os critérios de indicação em todos eles. Não podemos mais aceitar que os ocupantes de postos públicos sejam nomeados por oligarcas, coronéis, chefetes políticos. Não é mais possível aceitar o fracasso de um gestor só porque ele pertence a um partido aliado. Tem mais: o partido tem que indicar alguém para um cargo público terá que responder pelas atitudes do indicado.

O senhor está criticando a política de aparelhamento do estado, mas ela atingiu o ápice no governo atual, que o senhor apoia e do qual foi ministro da Ciência e Tecnologia.

Precisamos compreender o governo Lula dentro do contexto histórico e do momento político em que ele está inserido, assim como temos de fazer com os governos de Fernando Henrique Cardoso e de Itamar Franco. É preciso entender que o Brasil está fazendo conquistas. Já incorporou os valores da responsabilidade fiscal da necessidade de respeitar contratos. Agora, é hora de os governantes adotarem o preceito da gestão eficiente. Estamos por construir o Brasil do “fazer”, em que as escolas, a saúde e a segurança funcionam. Isso só será possível com a defesa da meritocracia e o enfrentamento do corporativismo doentio que corrói o serviço público.

É discurso de candidato a presidente da República. O senhor pretende ser candidato?

Sou candidato a fazer um governo melhor do que fiz nos últimos quatro anos. Por ora, é só. Abrir um debate eleitoral neste momento é desrespeitar não só quem votou em mim, mas também os que elegeram a presidente Dilma.

Como o presidente conterá o apetite por cargos de partidos como o PMDB, que seu correligionário Ciro Gomes define como “um ajuntamento de assaltantes”?

Depende de qual PMDB estamos falando. São tantos os PMDBs...

Ciro Gomes não fez distinção e se referiu ao presidente do PMDB e vice-presidente eleito, Michel Temer, com o “chefe dos assaltantes”.

O PMDB terá seu lugar no governo. A presidente eleita Dilam só não pode deixar que esse partido faça o que bem entender – aliás, nem o PMDB, nem o PT, nem partido algum da base aliada. Dilma terá de impor seu programa, e quem fizer parte do governo terá de segui-lo. Não se pode mais governar o país com cada ministro atuando baseado nos critérios de sua legenda. A máquina pública tem de ser preenchida por pessoas que apresentem resultados. O governo não pode mais ser aparelho de partido nenhum. Se não impuser esse tom, perderá o controle da situação.

Como Dilma abandonará as práticas adotadas pelo seu padrinho e antecessor?

Uma coisa tem de ficar clara: Dilma é uma pessoa, Lula é outra. A relação de Lula com o povo foi construída em quarenta anos de militância. A de Dilma começou na campanha, e só será consolidada pelos resultados do seu governo. Dilma vai compensar essa dificuldade na articulação ao apostar na gestão. O que não pode é deixar que o cerco dos partidos, inclusive o meu, a atrapalhe na montagem da sua equipe. O patrimonialismo partidário não faz bem a governo nenhum.

O petista José Dirceu diz que, com Dilma, PT finalmente chegará ao poder. O que o senhor acha?

É um grave equívoco. Nenhum partido dever ser maior do que a presidente da República, que foi eleita pelo povo com o apoio de vários partidos. A maior contribuição que o PT pode dar é não alimentar esse tipo de postura. Aliás, se lermos com cuidado o resultado do primeiro turno da eleição, entenderemos que a população já deu esse recado. A disputa não foi decidida naquele momento, porque muitos acharam que a nossa coligação não precisava responder nada a ninguém. Denúncias e questões sérias foram mal esclarecidas. O tom adotado, acima do conveniente, também não ajudou. O pessoal estava confiante demais. É importante que aprendamos a lição: mais difícil que saber perder é saber ganhar.

Foi o PT, então, o responsável pelo segundo turno?

A sociedade mandou um aviso geral para o nosso pessoal baixar a bola. Tudo na nossa campanha passava um tom de arrogância. Por exemplo: como parecia que iríamos ganhar no primeiro turno, alguns aliados transmitiram a impressão de que poderiam atentar contra algo que, além de muito preceito constitucional pétreo, é muito caro aos brasileiros: a liberdade de expressão. Foi um debate equivocado no calor da véspera de eleição. Não há espaço para isso no Brasil.

Mas setores do PT e de seu partido continuam a acalentar a intenção de controlar a imprensa.

É um erro. Não devemos alimentar nenhuma experiência ou tentativa de diminuir a liberdade de imprensa. Tão importante quanto honrar contratos, cuidar do povo mais pobre ou proteger a natureza é respeitar a liberdade de expressão. Quem já foi vítima da censura sabe que não se pode brincar com a liberdade.

O senhor acredita que o governo Lula reagiu mal a denúncias de corrupção, como as que envolveram a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra?

Nesse caso específico, o presidente Lula foi rápido. Afastou Erenice de suas funções e orientou os órgãos de controle do governo a iniciar procedimentos para apurar as denúncias.

E nos casos dos Correios, do mensalão e outros...

Vou me ater ao caso Erenice, cuja descoberta teve um impacto negativo. Ele colaborou para a realização do segundo turno na eleição presidencial, mas acabará sendo positivo para a formação do futuro governo. Depois do escândalo de Erenice. Dilma jogará duro para evitar constrangimentos como os provocados por essa ex-assessora.

Que outras lições o governo deveria tirar da eleição?

A presidente deve ter um diálogo institucional com a oposição. Já deu um passo nesse sentido quando, depois da vitória, se mostrou receptiva ao entendimento. Os partidos derrotados na eleição presidencial continuam com enormes responsabilidades. Administram grandes prefeituras e governos de estado. Por isso, é prioritário construir uma ponte com eles.

O senhor foi escalado para fazer essa mediação com a oposição?

Tenho falado com alguns amigos do campo adversário sobre a necessidade de reaproximação. Mas defendo a tese de que esse debate não pode se basear em relações pessoais, e sim em relações institucionais. O PSDB governa oito estados, que juntos, têm metade da população do país. É hora de desmontar os palanques e pensar o Brasil.

Qual é a principal diferença entre o governo atual e o que está por vir?

O presidente Lula repetia que não podia falhar, por ser o primeiro filho do povo a governar. Da mesma, Dilma também não poderá falhar. Ela tem muita clareza sobre a responsabilidade de ser a primeira mulher a governar. Dilma investirá em sua capacidade fundamental, a de gerenciamento. Se montar uma equipe cujos principais critérios de escolha sejam técnicos e não éticos, ela introduzirá no governo federal a cultura da gestão.

A sua administração conseguiu bons resultados na área da segurança, uma questão que preocupa muitos estados, inclusive da Região Nordeste. Que ações podem ser aproveitadas por outros governos?

Quando fui candidato pela primeira vez, disse que o combate à criminalidade seria uma prioridade de minha administração. Depois de eleito, instituí um programa de monitoramento do crime que reduziu em 40% a taxa de homicídios no Recife. Tínhamos a capital mais violenta do país. Agora, estamos na quinta posição. Mais de 400 milícias e quadrilhas foram desbaratadas. Passamos a premiar os policiais que cumpriam as metas com 14° salário e a pagar gratificações por armas apreendidas. Para mim, só com a meritocracia melhoramentos os serviços públicos. Ao mesmo tempo, investi na educação integral para tirar as crianças das ruas e evitar, assim, que elas fossem cooptadas pelos bandidos. Fizemos um bom trabalho na área de segurança, mas cumpri o que prometi também no que se refere à gestão. Pela primeira vez na história de Pernambuco, o governo aumentou os investimentos sem elevar a carga tributária.

Mas, se foi possível conseguir esse resultado com a redução do custeio da máquina pública, por que o senhor defende a volta da CPMF?

No início do mês, meu partido discutiu a volta da CPMF. Quero dizer que sou contra. É verdade que enfrentamos uma grave crise na saúde pública, mas não aprovo a criação de nenhum tipo de contribuição. Antes de discutir um novo imposto, é preciso melhorar a qualidade dos gastos no setor, que está entre as piores do mundo. O Brasil ocupa o 79° lugar no ranking da Organização Mundial de Saúde no que diz respeito à eficiência da despesa. Temos de encontrar um jeito de ampliar o atendimento da população e de cobrir o déficit das contas na saúde, mas a CPMF não é a solução.

O Bolsa Família é um programa assistencial sem porta de saída. Até que ponto ele é benéfico para o Nordeste, onde está o maior contingente de seus beneficiários?

A necessidade de fazer um programa como esse é sinal de que as coisas não estão bem. Uma parcela das pessoas que recebem o Bolsa Família vai sair para o mercado de trabalho à medida que for sendo qualificada e a economia crescer. Infelizmente, muitas estão condenadas a receber o Bolsa Família por um longo tempo. São pessoas que não comeram até 1 ano de idade, não tiveram acesso à escola... Vamos precisar de tempo para corrigir essas desigualdades. A porta de saída só aparecerá em duas gerações. É o preço que temos de pagar para corrigir erros históricos.

O que o Nordeste representa para o futuro do Brasil?

Somos parte da solução brasileira. Fomos vistos por muitos anos como um peso. Mas, nos últimos anos, é no Nordeste que o Brasil tem crescido mais. Pernambuco é um exemplo das oportunidades que a região oferece. Aqui, o consumo de produtos alimentícios e de construção civil cresce a taxas anuais de 20%. Pessoas que deixaram o Nordeste para tentar a vida no Sudeste estão voltando para casa. Quando uma região sai do atraso, quem mais ganha são as áreas desenvolvidas, que sofreram menos pressa sobre seus tecidos urbano e social. A revolução nordestina terá reflexos positivos em todo o país. Descentralizar é bom para o Brasil. Não queremos privilégios, mas um tratamento equânime.

Bookmark and Share

sábado, 20 de novembro de 2010

VIVA A BENEDITA DA SILVA !!!

No Dia da Consciência Negra, o blog Sou Chocolate e Não Desisto faz uma homenagem a Benedita da Silva, sinônimo de superação e persistência.
Ela é guerreira e sempre combateu a desigualdade racial, a violência – na adolescência foi vítima de estupro – e qualquer forma de preconceito neste país.

Benedita é protagonista de uma saga de dar inveja a roteirista de cinema. Filha de lavadeira, sua família de quinze irmãos, dos quais conheceu oito. Benedita trabalhou como engraxate, camelô, doméstica e vendedora de pastel.

Viúva duas vezes, teve quatro filhos, dois morreram, um deles foi enterrado como indigente. Apesar de hoje ser o principal nome do PT no Rio de Janeiro, sabe que seu maior feito foi ter sobrevivido a um destino que tinha sinais de fracasso. Atualmente é casada com o ator Antônio Pitanga.

Fadada ao destino reservado a muitas mulheres negras e faveladas desse país, Benedita da Silva enfrentou as adversidades da vida e contornou todas como fazem as águas de um rio diante de obstáculos.

A menina da favela, negra e pobre jamais tinha chegado perto do poder, o lugar mais próximo tinha sido a porta dos fundos do apartamento de Juscelino Kubitschek, onde entregava as roupas da família do ex-presidente, lavadas pela mãe.

Em 1982, Benedita da Silva é eleita vereadora no Rio de Janeiro e começa a trajetória singular na história da política brasileira. De lá para cá, Benedita subiu mais patamares na carreira politica.

Foi senadora, vice-governadora, governadora, ministra da Promoção e Ação Social no governo Lula, secretária de Ação Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro no governo Sérgio Cabral e neste ano, foi eleita deputada federal.

Viva o Dia da Consciência Negra!!! Viva Benedita da Silva!!!

Bookmark and Share

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

DIA DA BANDEIRA

A Bandeira do Brasil foi instituída a 19 de novembro de 1889, ou seja, 4 dias depois da Proclamação da República. É o resultado de uma adaptação na tradicional Bandeira do Império Brasileiro.

A atual Bandeira nacional é a segunda republicana e o terceiro estandarte oficial do Brasil desde sua independência.

A versão atual da Bandeira Nacional Brasileira com 27 estrelas entrou em vigor em 11 de maio de 1992, com a inclusão de mais quatro estrelas, representando os novos estados da Federação: Amapá, Tocantins, Roraima e Rondônia.

Bookmark and Share

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

RACHEL DE QUEIROZ, 100 ANOS !!!

Rachel de Queiroz, 100 anos! Nasceu em 17 de novembro de 1910, Fortaleza, Ceará. A pioneira cearense – foi a primeira mulher a entrar na Academia Brasileira de Letras, 1977 – conhecida pelos seus romances e o carinho que tinha pelas palavras, seja nas crônicas, nas peças teatrais ou nos romances, ela era uma mulher a frente do seu tempo. Até na politica Rachel de Queiroz enveredou e teve uma vida intensa.

A consagrada vida de escritora e jornalista boa parte dos brasileiros já conhece, mas, na política é desconhecida pela maioria. Rachel tornou-se membro do Partido Comunista ao lado de amigos de sua geração, uma turma politizada e ‘comunizada”, como relatou ela na autobiografia Tantos Anos, de 1998. Foi presa duas vezes.

Em 1931, após passar dois meses no Rio de Janeiro – tinha ido receber o Prêmio Graça Aranha, dado a O Quinze – Rachel volta ao Ceará, com credenciais do Partido Comunista, já politizada e com a missão de promover e reorganizar o Bloco Operário e Camponês, movimento político o qual ela tinha participado.

Rachel passou a fazer parte do Partido Comunista, mesmo sem ter feito uma ficha, assinado alguma ata. Aliás, não se podia deixar nenhum rastro de papéis, livros ou qualquer tipo de documento, a polícia era brutal e se pegasse algum vestígio, levava todos para a cadeia: às pessoas e os papéis. Com a chegada de Getúlio Vargas ao Rio, a polícia ficou mais feroz.

Em 1937, com a decretação do Estado Novo de Getúlio Vargas, os livros de Rachel de Queiroz foram proibidos e, num fato marcante, várias de suas obras acabaram queimadas em praça pública em Salvador (BA), junto a livros de Jorge Amado, José Lins do Rego e Graciliano Ramos, todos classificados de subversivos.

O desligamento do Partido Comunista aconteceu após ela ver censurado pelo próprio Partido o romance João Miguel. No romance, João Miguel, ‘campesino’ bêbado, matava outro ‘campesino’. O aviso: só permitiria a publicação da obra, se Rachel fizesse as modificações apontadas pelo presidente do Partido Comunista. Segundo o Partido, a trama era carregada de preconceitos contra a classe operária.

Jamais se curvou as imposições feitas a sua obra, Rachel de Queiroz não aceitou as tais modificações exigidas pelo Partido Comunista, pegou o original que tinha datilografado e saiu em disparada, como relatado por ela no capítulo O Rompimento, da autobiografia Tantos Anos, escrita por ela e a irmã caçula, Maria Luiza Queiroz.

Em sua obra Caminho de Pedras (1937), Rachel trata desse momento político que viveu no Partido Comunista, porque fazer política na década de 20, ser comunista era muito perigoso. A ideia de comunismo era distorcida e alguém que ousasse se apresentar como comunista pagaria um preço alto, até com a própria vida.

Rachel de Queiroz faleceu dormindo em sua rede, 4 de novembro de 2003, no Rio de Janeiro.

Bookmark and Share

VERDE POLÊMICA

O Parque da Aclimação, um dos mais conhecidos da cidade de São Paulo poderá mudar de nome, caso o projeto de lei de autoria do ex-cantor sertanejo e vereador Marcelo Aguiar (PSC), recém-eleito deputado federal entre em votação. Segundo o projeto, o parque passe a ser chamado de “Parque da Aclimação Estevam Hernandes”.

O nome do homenageado é o pai de Estevam Hernandes Filho, fundador da Igreja Renascer em Cristo, a qual Marcelo Aguiar é ligado. Segundo o chefe de gabinete do vereador, Claudinei de Carvalho o projeto não tem motivação eleitoral. Mas, informações obtidas por este blog, Marcelo Aguiar era o único candidato que a Renascer pedia voto em seus templos aos seus fieis.

Mas o projeto talvez não passe devido a repercussão que está tomando: moradores da Aclimação estão divulgando em redes sociais, na internet, o telefone e email do gabinete do vereador e várias comunidades no Orkut, site de relacionamento, foram criadas para que a população do bairro discuta o assunto.

A polêmica em torno do nome do Parque da Aclimação não é a primeira, em 2009 o vereador Agnaldo Timóteo (PR), também tentou mudar o nome do Parque do Ibirapuera para “Parque Ibirapuera Michael Jackson”, não passou. A avalanche de críticas contrárias fizeram o vereador retirar o projeto.

Bookmark and Share

terça-feira, 16 de novembro de 2010

EM BUSCA DE ESPAÇO

No Senado, após as eleições a disputa continua, desta vez é por espaço literalmente, pela localização do melhor e espaçoso gabinete. É de praxe que cada gabinete seja ocupado pelo senador do estado respectivo daquele senador que deixa o cargo, mas desta vez não está ocorrendo nestes termos.

Mas há senadores que não fazem questão de ‘guerrear’ por um gabinete bem localizado ou espaço, a senadora eleita de São Paulo, Marta Suplicy (PT) não faz questão de entrar nessa queda-de-braço por um gabinete maior, ela irá ocupar o mesmo gabinete do seu correligionário, Aloizio Mercadante.

Mas a disputa não se restringe apenas aos novos congressistas, veteranos também entraram na disputa, como Demóstenes Torres (DEM-GO) que vai ficar no gabinete que pertenceu ao senador Romeu Tuma (PTB-SP) que faleceu em outubro deste ano.

O senador eleito, Aécio Neves (PSDB-MG) ficará com o gabinete que pertenceu ao seu amigo tucano, Tasso Jereissati (PSDB-CE) que não conseguiu se reeleger. O outro senador eleito de Minas, o ex-presidente da República Itamar Franco (PPS) deverá ficar no espaço gabinete que foi ocupado por ACM, o pai (faleceu em 2007) e ACM Júnior que deixará o cargo em dezembro.

Os cobiçados gabinetes que ficam nas torres são ocupados por nomes como José Sarney (PMDB-AP), pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL) e Gin Argelo (PTB-DF). O senador mais votado desta eleição, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) quer ficar no espaçoso gabinete do ex-vice-presidente, Marco Maciel (DEM-PE) que não se reelegeu.

Bookmark and Share

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

BRASIL, 121 ANOS DE REPÚBLICA

História - A Proclamação da República Brasileira foi um episódio da história, ocorrido em 15 de novembro de 1889, que instaurou o regime republicano no Brasil, derrubando a monarquia do Império do Brasil, pondo fim à soberania do Imperador Dom Pedro II.

A Proclamação da República ocorreu no Rio de Janeiro, então capital do Império do Brasil, na Praça da Aclamação, hoje Praça da República, quando um grupo de militares do exército brasileiro, liderados pelo marechal Deodoro da Fonseca, deu um golpe de estado, sem o uso de violência, depondo o Imperador do Brasil, D. Pedro II, e o presidente do Conselho de Ministros do Império, o visconde de Ouro Preto.

Foi instituído, naquele mesmo dia 15, um "Governo Provisório" republicano. Faziam parte deste "Governo Provisório", organizado na noite de 15 de novembro, o marechal Deodoro da Fonseca como presidente da República e chefe do Governo Provisório, marechal Floriano Peixoto como vice-presidente.

Como ministros, esse governo contava com Benjamin Constant, Quintino Bocaiuva, Rui Barbosa, Campos Sales, Aristides Lobo, Demétrio Ribeiro e o almirante Eduardo Wandenkolk.

Imagem: Óleo sobre tela de Benedito Calixto, 1893.

Bookmark and Share

domingo, 14 de novembro de 2010

PRÊMIO CONGRESSO EM FOCO 2010


O site Congresso em Foco que faz cobertura jornalística do Congresso Nacional, criou o Prêmio Congresso em Foco com intenção de dar mais visibilidade ao trabalho de deputados e senadores que se destacaram positivamente na ótica dos jornalistas e dos leitores do site. Neste ano, o prêmio chaga a sua 5ª edição e a entrega do prêmio será celebrada no próximo dia 22, em Brasília.
O prêmio tem duas etapas de votação: na primeira, os 183 jornalistas que cobrem o Congresso Nacional escolhem os 31 deputados federais e dez senadores que, no seu entender, melhor representaram a população no Parlamento neste ano.
Também fazem a pré-seleção dos parlamentares que mais se destacaram nas seguintes áreas: defesa da democracia, combate à corrupção, defesa da educação, promoção da saúde, defesa do meio ambiente. Na segunda etapa, considerada a decisiva, a votação é feita através da internet por leitores do site.
Com 4.218 votos, o senador, Cristovam Buarque (PDT-DF) pela terceira vez ganha o Prêmio Congresso em Foco 2010. O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), foi o vencedor do prêmio com 3.075 votos.
Confira a lista dos finalistas, clique aqui. Leia mais sobre o Prêmio Congresso em Foco 2010
Bookmark and Share

sábado, 13 de novembro de 2010

ABESTADOS, PIOR DO QUE TÁ NÃO FICA !!!

As sucessivas falhas no Enem deixou enfraquecido o ministro da Educação, Fernando Haddad no Planalto. Com o recém teste do palhaço Tiririca para provar que é alfabetizado, já tem engraçadinho que defende o nome dele para ser ministro da Educação. Pior do que tá não fica!!!

Charge do Clayton, jornal O Povo

Bookmark and Share

PÃO E CIRCO

Sobral (CE), a princesa do norte está agitadíssima nestes dias 12,13 e 14 de novembro, começou o Carnabral, o pão e circo do governo municipal, principal patrocinador.

Bookmark and Share

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

ENTREVISTA COM O TORTURADOR

Acusado de liderar um esquadrão da morte nos anos 90, no Acre e condenado a 18 anos de prisão, o ex-deputado federal, Hildebrando Pascoal (foto) fala pela primeira vez sobre o “crime da motosserra” em entrevista concedida dentro da prisão ao jornalista Marcelo Rezende. A entrevista irá ao ar neste domingo (14), no Domingo Espetacular, às 20h00, na Rede Record. Entenda o caso.

Bookmark and Share

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

CHAMEM O TIRIRICA

Por Gilberto Dimenstein da Folha.com

Passamos toda a campanha ouvindo os candidatos prometerem baixar os impostos. As urnas fecharam e imediatamente vemos os governantes --PT e PSDB-- falarem na volta do imposto do cheque para financiar a saúde. Se é para fazer palhaçada, melhor chamar o Tiririca.

Estamos assistindo a arrecadação crescer a cada ano. Assim como estamos vendo os gastos governamentais crescerem, inchando a folha de pagamento. Só para tapar o buraco da aposentadoria dos funcionários públicos, que ganham muito mais do que a média do cidadão comum, são cerca de R$ 40 bilhões por ano --coincidentemente, o tamanho da CPMF. E quase quatro vezes a Bolsa Família.

O governo tem muito mais facilidade em tirar dinheiro do nosso bolso do que racionalizar seus gastos e combater desperdícios. Agora mesmo está andamento, no Congresso, projeto para subir os salários do Judiciário, que teriam impacto de R$ 8 bilhões. Depois, viria, por uma questão de isonomia, o Ministério Público mais R$ 8 bilhões.

Um dos males de baixa escolaridade brasileira é que o cidadão não faz ideia quanto paga de imposto nem como o dinheiro é gasto. Estamos pagando cada vez mais para bancar a elite do Brasil, composta de funcionários públicos.

Com isso, sobra menos dinheiro para os pobres, aqueles que usam o SUS.

Um imposto para a saúde seria plenamente justificável se soubéssemos que o governo está fazendo a sua parte, gastando melhor o que arrecada.

Bookmark and Share

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

PRÊMIO TOPBLOG 2010

Caros amigos internautas e blogueiros parceiros, o blog Sou Chocolate e Não Desisto está na final do Prêmio TopBlog 2010, importante prêmio na blogosfera criado em 2008 pela Mix Mídia com objetivo de incentivar e premiar os blog´s mais populares do Brasil por meio de votação popular e acadêmica. São catorze categorias.

A premiação tem dois turnos: são centenas de blog´s inscritos nessa primeira etapa. Para o segundo, passam apenas os cem blog´s mais votados de cada categoria. Os dois blog´s mais votados no júri popular e acadêmico ganham uma Scooter Honda Lead 110 0K.

Na categoria política, o blog Sou Chocolate e Não Desiste está nesta disputa entre os grandes blog´s de política da blogosfera brasileira. Já somos TOP100, mas gostaríamos de estar entre os dez primeiros colocados e por isso pedimos o seu apoio. Vote neste blog. A votação termina hoje (10) às 23h55, horário de Brasília.

Para votar é muito simples e rápido: digite seu nome e endereço de email, depois confira na sua caixa de email´s ou no lixo eletrônico se chegou uma mensagem do TOPBLOG e clique no link desta mensagem para validar seu voto. Clique aqui e vote. Obrigado a todos os blog´s parceiros, leitores e amigos.

Bookmark and Share

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A IMPUNIDADE VESTE COLARINHO BRANCO

O senador Pedro Simon (PMDB), lançou neste fim de semana na 56ª Feira do Livro de Porto Alegre (RS), a obra "A impunidade veste colarinho branco". É um livro crítico com a situação do país, onde mostra que o jeitinho brasileiro prevalece em todo lugar, principalmente na política.

De forma irônica, no estilo Pedro Simon, o livro critica fortemente a impunidade de políticos e cita frases conhecidas do povo: “tudo vai acabar em pizza”, “você sabe com quem está falando ?”. Essas e outras expressões compõe o primeiro parágrafo do livro.

No livro, Simon tece uma comparação de como haja a polícia com os políticos criminosos e quais as táticas ela usa quando com o povão. Com os delinquentes, a polícia é sempre preconceituosa e grosseira. Para gente importante, a polícia age de forma complacente e até solidária num processo de prisão.

Crítica, irônica e direta, Pedro Simon fecha a obra na contra capa do livro com a frase: “Os crimes de colarinho branco, vicejam porque semeados e fertilizados, pela impunidade. Para o rico, a justiça faz plantão para soltá-lo. Para o pobre, a polícia faz plantão para prendê-lo”.

Bookmark and Share

domingo, 7 de novembro de 2010

DEVAGAR, DEVAGARINHO...


Os acidentes envolvendo as viaturas da polícia Ronda do Quarteirão, no estado do Ceará, levaram o governador neossocialista, Cid Gomes (PSB) a tomar uma atitude drástica para camuflar a ineficiência de sua política de segurança pública: a partir de agora, nenhuma das viaturas luxuosas poderão ultrapassar o limite de velocidade de 50 km/h.
O Ronda do Quarteirão é motivo de chacotas e críticas no Ceará, porque o governador investiu milhões – cada viatura custou aos cofres públicos a bagatela de R$ 200 mil – e num breve intervalo, veio a comprovação do péssimo serviço prestado pela polícia que foi treinada em noventa dias e já estava pronta para fazer a segurança dos cearenses.
As ações desastrosas do Ronda do Quarteirão não se limitam apenas em colisão entre viaturas, vai muito além disso: de abuso de autoridade à viaturas usadas como motel; da ação do despreparado policial que atirou nas costas de um adolescente que ia na garupa da moto do pai e ceifou a vida do garoto à policiais que sem habilidade para manusear sua própria arma, atira em sua perna.
Com essa notícia dada pelo governador do Ceará, Cid Gomes, a bandidagem que está em franca expansão no estado, desde 2007, terá mais motivo para praticar delitos, sejam: a pé, de bicicleta ou num fusca 75, porque sabe que numa velocidade dessa, até com as mãos amarradas é possível ultrapassar as viaturas velozes da Toyota e que agora estão atadas pela ordem do competente gestor estadual.
Charge do Clayton, jornal O Povo.
Bookmark and Share

sábado, 6 de novembro de 2010

ABORDAGENS DISTORCIDAS

Do blog da senadora Marina Silva

Nesta semana, vários jornais fizeram reportagens sobre as contas das campanhas eleitorais. Infelizmente, algumas abordagens distorceram certos fatos sobre a conduta da senadora Marina Silva (AC). Uma delas levantou suspeitas sobre o relacionamento que Marina, ex-candidata do PV à Presidência, mantém com os sócios de seu ex-companheiro de chapa, Guilherme Leal.

Legitimamente, como pessoas físicas e cidadãos, Guilherme e alguns de seus companheiros na Natura Cosméticos colaboraram financeiramente com a campanha do Partido Verde. A empresa, por sua vez, não prestou nenhum tipo de ajuda ao longo do processo eleitoral.

No entanto, a reportagem do Correio Braziliense (“Natura teve ‘forcinha’ durante a era da senadora Marina Silva’’), publicada em 3 de outubro, afirma que a companhia foi “beneficiada” na gestão de Marina no Ministério do Meio Ambiente (MMA), entre 2003 e 2008, com autorizações para a exploração de recursos da biodiversidade brasileira voltada à produção de cosméticos. Os esclarecimentos a seguir foram enviados ao jornal no mesmo dia 3 e até o momento não foram publicados.

É desprovida de comprovação a afirmação da reportagem de que, sob o comando da senadora, o ministério favoreceu empresa A ou B. Isonomia, impessoalidade e respeito foram os princípios que regeram as relações do órgão com o setor empresarial. Todos os interessados receberam sempre as orientações necessárias para que pudessem cumprir a legislação ambiental vigente.

As autorizações de acesso aos recursos genéticos somente são concedidas para instituições que atendem aos requisitos estabelecidos na Medida Provisória 2.186-16/2001. O MMA apenas emite a autorização de acesso após a devida aprovação pelo CGEN (Conselho de Gestão do Patrimônio Genético), um colegiado formado por 19 instituições federais, no qual o ministério tem apenas um voto.

Portanto, toda e qualquer empresa que cumpra com os requisitos legais e, principalmente, demonstre que tem a anuência prévia do provedor do recurso genético e já tenha firmado com ele contrato de repartição de benefícios, recebe as autorizações de acesso.

A legislação em vigor objetiva assegurar a repartição dos benefícios oriundos do uso econômico do patrimônio genético da biodiversidade brasileira. Quando Marina Silva assumiu o MMA não havia um único centavo de benefícios sendo repartido no Brasil, ao passo que quando deixou a pasta vários contratos já estavam em vigor beneficiando diversos provedores, como povos indígenas e comunidades tradicionais.

Foi também na gestão da senadora que se criou o portal na internet com informações sobre os processos em tramitação no CGEN.

O CGEN, entre 2003 e 2008, emitiu 70 autorizações de acesso aos recursos da biodiversidade e aos conhecimentos tradicionais, atendendo a 33 demandantes (21 universidades, 8 instituições públicas de pesquisa, 3 empresas privadas e 1 ONG). Nesse período nunca houve nenhuma denúncia de favorecimento ou tratamento diferenciado para quem quer que seja.

O número de autorizações concedidas para a empresa A ou B é proporcional ao número de solicitações que são feitas e ao cumprimento dos requisitos legais. A Natura só teve mais porque foi a que protocolou o maior número de solicitações de acesso e conseguiu cumprir com os requisitos legais.

Em atenção à diretriz do MMA, o CGEN, no período citado, atuou com toda a transparência possível, inclusive com o convite a instituições da sociedade civil e ao Ministério Público Federal para que participassem das reuniões ordinárias.

A senadora Marina Silva é autora do primeiro projeto de lei que regulamenta o acesso aos recursos genéticos, aos conhecimentos tradicionais associados e da repartição de benefícios. Infelizmente, em que pese seus esforços para aprovar esse importante marco legal para o país, a proposta está parada no Congresso Nacional há 15 anos.

A atuação pública de Marina sempre se pautou pelo mais alto senso de responsabilidade e pelo rigoroso cumprimento dos princípios constitucionais que norteiam a administração pública: legalidade, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiência.

Bookmark and Share

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

À LA PAPAGAIO DE PIRATA

A prefeita de Fortaleza (CE), Luizianne Lins, esteve no topo da rede de microblog´s, Twitter, nos trending topic – os assuntos mais citados na rede - nesta semana, após aparecer atrás da presidente eleita, Dilma Rousseff, em seu primeiro discurso, transmitido ao vivo por várias emissoras de tv.

Quem é?! Perguntavam alguns usuários da rede. Após ser reconhecida por alguns, a prefeita Luizianne, os twitteiros passaram a comentar a presença dela no discurso.

Um dos comentários era: “apareceu mais no discurso da Dilma do que em Fortaleza”. Outra usuária disse: “Ai, gente! deixa a coitada da Luizianne imitando aquele povo no Carnaval que não pode ver uma câmera que fica fazendo sinal de legal”.

Bookmark and Share

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

EDIÇÃO EXTRA

As revistas Época e Veja lançaram uma edição extra sobre a presidente eleita, Dilma Rousseff, que a partir de 1º de janeiro de 2011 irá governar o Brasil.

Um vasto acervo com fotos e textos sobre a trajetória da primeira mulher a chegar ao cargo mais alto do país, a Presidência da República.

Bookmark and Share

terça-feira, 2 de novembro de 2010

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

QUEM GANHA E QUEM PERDE

Do UOL

Lula - Indicou Dilma como candidata sem consultar o próprio partido. Apesar da falta de traquejo político da aliada, elegeu uma sucessora, impulsionou sua popularidade e seguirá com poder político mesmo fora do cargo.

Dilma Rousseff - Em sua primeira disputa eleitoral, tornou-se presidente da República. Conta com a confiança do antecessor e maioria de aliados no Congresso e nos governos estaduais. A ex-ministra é agora uma das mulheres mais votadas da história.

Marina Silva - Terminou sua primeira eleição presidencial com quase 20% dos votos, apesar de ter pouco mais de um minuto de tempo de TV. Já de olho em 2014, será uma das principais porta-vozes da oposição, mesmo sem cargo.

Eduardo Campos - Reeleito governador de Pernambuco, o neto de Miguel Arraes é agora um dos políticos mais populares do Nordeste. Um dos aliados mais próximos de Lula, impulsionou a candidatura de Dilma na região e é potencial presidenciável.

Sérgio Cabral - Principal fiador da aliança com Dilma no PMDB, o governador reeleito do Rio de Janeiro tornou-se um dos principais articuladores políticos do governo e terá voz no Palácio do Planalto. Passou a cobiçar a vice em 2014.

Geraldo Alckimin - Sem cargo até dois anos atrás e preterido pelo próprio partido nas eleições municipais de 2008, tornou-se governador eleito do maior colégio eleitoral do país e ganhou cacife por ter sido fiel ao projeto tucano de voltar à Presidência.

Aécio Neves - Elegeu-se senador por ampla maioria, trouxe para a Casa o ex-presidente Itamar Franco (PPS) e reconduziu ao cargo o tímido governador Antonio Anastasia (PSDB). Potencial presidenciável em 2014.

Aloisio Nunes - Surpreendentemente tornou-se o senador mais votado da história brasileira, embora uma semana antes da votação figurasse em terceiro lugar. Ganhou status para ser um dos principais líderes da oposição no Senado.

Fernando Henrique Cardoso - Ainda que não tenha participado ativamente da campanha de Serra, seu legado no Palácio do Planalto sofreu mais um revés após meses de críticas feitas por Lula e pela campanha de Dilma. A popularidade de Lula ofusca o ex-presidente ainda mais.

Aloizio Mercadante - Quase arrancou de Geraldo Alckmin um segundo turno nas eleições paulistas. Ficou sem mandato no Senado, mas é cotado para receber ministério de Dilma em 2011. A derrota no primeiro turno, no entanto, não o credencia a assumir uma das pastas mais importantes.

Roseana Sarney - Reelegeu-se com alguma dificuldade e manteve a hegemonia política do clã no Maranhão. Ajudou a eleger os peemedebistas João Alberto e Edison Lobão, mas na região foi ofuscada pelo pernambucano Eduardo Campos e pelo petista Jaques Wagner.

José Agripino Maia - Líder do DEM no Senado, conseguiu se reeleger apesar da dura oposição a Lula nos últimos oito anos. Mas teve de amenizar o discurso e fazer elogios ocasionais ao presidente. A inimizade declarada com a presidente eleita não o ajuda a dialogar com o Palácio do Planalto.

José Serra - Naquela que provavelmente foi sua última disputa presidencial, o tucano fez uma campanha errática, na qual foi atacado por aliados e adversários. O estilo personalista faz dele hoje um político isolado no PSDB.

Sérgio Guerra - O presidente do PSDB teve de abrir mão de disputar sua reeleição no Senado. Candidatou-se a deputado federal. Venceu. Mas, no papel de coordenador da campanha de Serra à Presidência, foi dominado pelo candidato.

Ciro Gomes - Primeiro foi impedido de concorrer à Presidência. Criticou Dilma, Lula, PT e PMDB. Depois foi incorporado à coordenação da campanha da petista. Com ou sem cargo no próximo governo, o ex-governador perdeu crédito.

Ana Júlia Carepa - Em meio à onda lulista que tomou as eleições 2010, a governadora do Pará foi uma das raras derrotadas ligadas ao presidente. Deixará o cargo para o antecessor, Simão Jatene (PSDB), antiga inimizade de Lula.

Hélio Costa - O ex-ministro travou uma longa briga com o PT para ser candidato ao governo de Minas Gerais. Convenceu Lula e liderou a disputa quase até a reta final. Até perder pela terceira vez, desta vez para o pouco conhecido governador Anastasia.

Fernando Gabeira - Com cerca de 20% dos votos na disputa pelo governo do Rio de Janeiro, o deputado do PV teve desempenho pior do que o esperado contra Cabral. No segundo turno, tampouco fez diferença em favor de Serra.

Fernando Collor - O ex-presidente da República disputou o cargo de governador, mas não teve forças nem para passar ao segundo turno da corrida eleitoral, amargando um terceiro lugar.

Heloisa Helena - Não conseguiu se eleger senadora por Alagoas. Terminou a eleição afastando-se do cargo de presidente do PSOL, discordando do apoio que a direção do partido deu a Dilma no segundo turno.

O Blog destaca também quem ganhou nestas eleições foi a ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy que após perder duas eleições municipais e contrariando muitos adversários e analistas políticos - que ela não seria mais eleita a cargo algum - Marta ressurge das cinzas como Fênix e se torna a primeira mulher eleita senadora do Estado de São Paulo.

Bookmark and Share