.

.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

PREJUÍZO MILIONÁRIO

Da Folha de S.Paulo
O Ministério Público do Estado de São Paulo realiza nesta terça-feira (6) uma nova fase da Operação Caça-Fantasmas em Osasco, na Grande São Paulo. A Promotoria cumpre 14 mandados de prisão preventiva contra vereadores da cidade, entre eles o prefeito eleito de Osasco (SP) Rogério Lins (PTN).
A operação, coordenada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público paulista, já prendeu 11 vereadores de Osasco. Segundo a polícia, Rogério Lins não foi achado porque estaria em viagem.
Deflagrada em agosto de 2015, a operação investiga esquema de funcionários fantasmas dentro da Câmara Municipal de Osasco. Segundo o promotor de Justiça Gustavo Albano, o esquema teria desviado R$ 21 milhões e ainda há suspeitas de que os parlamentares também captavam parte do salário de seus servidores.
O inquérito policial já conta com 117 volumes de investigação e, até agora, 73 mandados de busca já foram cumpridos. A pedido da Promotoria, mais de 200 pessoas já foram afastadas cautelarmente de seus cargos pela Justiça paulista. Esta semana, a Justiça recebeu denúncia contra 217 pessoas, entre vereadores, assessores e fantasmas.
Na última fase da operação, em junho passado, foram 38 mandados de busca e apreensão, que resultaram na prisão em flagrante de seis pessoas, todas em Osasco –uma por porte ilegal de arma e cinco por desvio de medicamentos. Também foram apreendidos três caminhões carregados de medicamentos –parte da carga foi identificada como sendo remédios destinados ao SUS (Sistema Único de Saúde).
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário