.

.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

O RISCO LE PEN

Da ISTOÉ
O futuro da União Europeia pode começar a ser decidido no dia 23 de abril, quando a França realiza o primeiro turno de suas eleições presidenciais. Dez candidatos alinhados às mais diversas correntes políticas disputam o cargo máximo do país. Nenhum tem registrado desempenho tão promissor e consistente nas pesquisas de intenção de voto quanto Marine Le Pen, do partido de extrema-direita Frente Nacional (leia quadro). Com discurso nacionalista e protecionista, Le Pen tem como uma de suas principais promessas de campanha a convocação, ainda nos primeiros seis meses de mandato, de um referendo para definir se a França deve ou não permanecer na União Europeia. Segundo ela, o bloco é um “fracasso” e não cumpriu as promessas de prosperidade e estabilidade feitas na sua criação. “Estamos no fim de um ciclo”, disse Le Pen, em discurso no dia 5. “Um dia, a União Europeia será apenas uma lembrança ruim”.
Ameaça
Hoje, Le Pen representa o maior risco para a sobrevivência do bloco desde a sua criação, em 1993. “A União Europeia até sobrevive à saída da Inglaterra, mas sem a França, o projeto se desfaz”, diz Carlos Gustavo Teixeira, coordenador do curso de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Diferentemente da Inglaterra – que rompeu com o bloco por meio de referendo em junho de 2016 – a França é uma das nações fundadoras da UE e, desde o final da Segunda Guerra Mundial, cumpre a função de mentora política de boa parte dos projetos de integração do continente. Junto com a Alemanha, a nação é um dos pilares do bloco, que hoje tem 28 países-membros, 24 línguas oficiais e, em 2015, teve PIB de US$ 16,3 trilhões, segundo o Banco Mundial.
“Pensar um futuro para a União Europeia sem a França não é tarefa simples”, diz o ex-embaixador do Brasil em Paris Marcos Azambuja, hoje conselheiro do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI). No pior dos cenários, a ruptura do país com o bloco seria total – como apregoa Le Pen – e a nação passaria a ter uma política imigratória, econômica e legislativa independentes da União Europeia. O bloco se desestabilizaria e seria difícil manter vinculados membros importantes, como Itália e Holanda – a Alemanha, por seus laços econômicos, dificilmente sairia. Um cenário menos catastrófico seria a ruptura parcial, com o abandono, pela França, do Euro e da política de livre circulação entre países-membros. “De qualquer forma, a União Europeia deixaria de existir como ela existe hoje”, afirma Azambuja.
O projeto de uma grande aliança entre países europeus que culminou com a União Europeia nasceu na segunda metade da década de 1950 para domar nacionalismos e trazer estabilidade a uma região que, em menos de quatro décadas, foi palco de duas guerras mundiais. O projeto de Le Pen vai contra todos esses esforços. Ele é nacionalista e protecionista, o que dificulta acordos e inviabiliza o consenso. E a história do século 20 é repleta de exemplos que mostram que nações que seguem esse caminho nem sempre acabam bem.
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário