.

.

sábado, 15 de julho de 2017

RECORDANDO JERÔNIMO PRADO

Dentre os grandes líderes que Sobral já conheceu, o ex-prefeito Jerônimo Medeiros Prado foi o último a desaparecer. Em 2002, por ocasião do transcurso dos seus 93 anos, ele prestou histórica entrevista ao companheiro Artemísio da Costa (Poucas & Boas), em que falou sobre sua vida, sua história pessoal e política. Confira abaixo.
Através das mãos da parteira dona Maria da Cruz, Jerônimo Medeiros Prado veio ao mundo no dia 15 de julho de 1909, na localidade de São Vicente - Jaibaras, distrito de Sobral (CE). Eram seus pais Maria Raimunda de Souza Aguiar e José do Nascimento Prado. Sua escolaridade foi por pouco tempo, no ano de 1920, com as professoras Joana Prado e Nazaré Ferreira da Ponte.
Já aos 16 anos conseguiu seu primeiro emprego no comércio do Sr. José Rocha, no distrito de Jordão. Em 1932 tornou-se comerciante em Sobral, exercendo essa atividade profissional por muitos anos, desfrutando de elevado conceito. Em 1940, começou suas atividades de agropecuarista, que exerceu até perto do final de seus dias.
Em 28 de novembro de 1929 casou-se com Francisca Gomes Parente Prado, filha de José Inácio Gomes Parente e Leonília Gomes Parente. Dessa união nasceram oito filhos: Zilar (falecida), José Prado (falecido), Leda, Ivone, Marlene, Zulene, Yara, Regina Coeli.
Jerônimo Prado também atuou como primeiro agente da Brasil Oiticica, no período de 1950 até o encerramento de suas atividades neste município. Foi proprietário de fornecimento de frentes produtivas no período de 1958 a 1970. No ramo da diversão, foi sócio-proprietário (com João Anastácio Dias) no Cine Alvorada, de 1964 a 1995.
Jerônimo Prado ingressou na política na extinta União Democrática Nacional (UDN). Segundo ele, desde 1950 passou a dar continuidade ao trabalho do seu estimado amigo e chefe, Dr. José Saboya de Albuquerque.
Em 1963 foi candidato a prefeito de Sobral, mas não foi bem sucedido, apesar de ter obtido boa votação. Em 1966 candidatou-se novamente, sendo, dessa vez, eleito com expressiva votação, vencendo Joaquim Barreto Lima.
Contando com seu fiel aliado, Pe. José Palhano de Saboia, Jerônimo administrou a Sobral no período de 1967 a 1970.  Recordava que contou com grandes colaboradores, tais como: Dr. Luciano Arruda Coelho, Procurador do Município; Pe. Moésia Nogueira Borges, secretário de Educação; Engenheiro Washington, responsável pelo setor de Edificações, e com o Cônego Francisco Sadoc de Araújo, que foi primeiro Reitor da Fundação Universidade Vale do Acaraú (UVA), atualmente Universidade Estadual Vale do Acaraú.
Dentre suas principais realizações, Jerônimo Prado dava destaque para as seguintes obras: Construção do Estádio Plácido Aderaldo Castelo; construção do Centro Social Urbano (CSU); construção da Avenida do Estudante (hoje Dr. Guarany); construção e implantação do sistema de abastecimento de água da adutora de Jaibaras; Estação de tratamento de água; construção de 500 casas populares no bairro Sinhá Saboia; construção de dezenas de escolas; construção e reformas de praças. Mas garante que a principal foi a criação da hoje Universidade (UVA), com a imprescindível colaboração do Côn. Sadoc de Araújo e do Dr. Luciano Arruda, através da Lei Municipal nº 215, de 23 de outubro de 1968.  Também enalteceu a valorosa contribuição de Dom Walfrido Teixeira Vieira, bispo da Diocese de Sobral à época, que cedeu o prédio e as instalações do antigo Seminário da Betânia. Na entrevista fez questão de destacar um desses seus importantes colaboradores: “Sobre a UVA, o Sadoc foi tudo. Mesmo com poucos recursos ele fez tudo”.
Jerônimo Prado falava com orgulho do sucesso obtido como prefeito de Sobral. Afirmava que todos os seus projetos foram muito bem aceitos e as contas todas pagas. “Nunca houve uma denúncia. Durante a minha administração nunca houve injustiça para com os municípios”, dizia sempre. Citava, também, que política era uma coisa muito difícil: “O adversário não mede o que vai dizer; ele quer é ofender. Mas eu nunca fiz política com ofensas”.  O ex-prefeito relembrava que o Estado ajudava apenas com uma pequena verba para a Educação e que a maioria das obras era feita com recursos da prefeitura.
Sobre suas alegrias na vida, o ex-prefeito afirmava com convicção que uma foi ter saído da política sem nunca ter recebido nenhuma vantagem, e com seu nome respeitado: “Saí da política com o nome intacto, limpo. Não saí com ladrão”. Quando lhe foi indagado sobre a maior tristeza, respondeu, em lágrimas: “A morte do meu filho”. Referia-se ao também ex-prefeito José Parente Prado, falecido em Sobral, aos 66 anos, em 26 de maio de 1999.
Apesar da pouca escolaridade, Jerônimo Prado era conhecido por humildade, sua inteligência e perspicácia.  Era admirado pela maneira peculiar de ouvir mais para aprender sempre; falar pouco para errar menos e pensar muito antes de tomar uma decisão importante. Em 1993, ano da entrevista, ele já falava: “Antes se trabalhava muito para promover a sociedade e o Estado; hoje está tudo diferente: só se vê corrupção. Mas eu desejo ao povo de Sobral que seja muito feliz, sempre na nossa religião”.
Sobre ter vida longa, chegar aos 93 anos, em 2002, comentava: “Fazer 93 anos faz me sentir compensado porque até essa data, graças a Deus, não cheguei a cometer nenhuma indignidade”.
Jerônimo Medeiros Prado faleceu em Sobral, aos 94 anos, no dia 17 de outubro de 2003, acha-se sepultado no cemitério São José desta cidade. É lembrado em instituições que levam seu nome na sede e distritos e com um busto na (UVA). Jerônimo Medeiros Prado ainda dá nome a uma rua (bairro Dom José), a uma avenida (bairro Cidade Pedro Mendes Carneiro) e a um bairro, onde fica o condomínio Village Betânia, todos na cidade de Sobral.
Por Thiago Alves, Cantinho da Saudade, do Correio da Semana, via Blog do Artemísio da Costa
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário