.

.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

CUSTOU CARO

O represamento dos preços da gasolina durante o governo da presidente Dilma Rousseff saiu caro para as usinas e, agora, poderá ser custoso também para o governo.
A política de controle da inflação, por meio desse represamento, gerou perdas de cerca de R$ 40 bilhões para os produtores de etanol de 2011 a 2014. Muitos, agora, se movimentam para obter um ressarcimento do governo por essas perdas.
O valor foi apurado e trazido a valores atuais pela MacroSector Consultores.
A defasagem do preço médio da gasolina foi de 17% na refinaria nesse período. Isso gerou uma perda, em valores atualizados, de R$ 0,20 a R$ 0,30 por litro de etanol no período analisado, segundo a MacroSector.
O represamento foi nos preços da gasolina, mas os valores do álcool estão basicamente atrelados aos desse combustível.
Quando o preço do etanol supera o percentual de 70% do da gasolina, o derivado de cana passa a ser menos competitivo do que o do combustível fóssil.
Essa política de interferência do governo ocorreu logo depois de muitos projetos, voltados exclusivamente para a produção de etanol, entrarem em operação.
O descasamento entre remuneração e custos levou muitas usinas a paralisar as atividades.
Sem geração de caixa, algumas optaram por atrasar pagamentos de impostos; outras retardaram a renovação das lavouras de cana-de-açúcar, diminuindo a oferta de cana. Para outras, a saída foi um endividamento, segundo informações do setor sucroenergético.
Atualmente, pelo menos 80 unidades estão com as atividades paradas ou em recuperação judicial, enquanto o endividamento do setor é estimado de R$ 80 bilhões a R$ 90 bilhões.
Esses números se referem ao total das usinas estabelecidas no Brasil.
Para Fabio Silveira, sócio-diretor da MacroSector, o controle de preços da gasolina efetuado pela União obrigou os produtores de etanol a manter o preço de seu produto abaixo do ponto de equilíbrio do mercado.
"A grave crise no setor não retardará a propositura de ações exigindo a reparação dos danos causados pela política do governo", diz.
Suínos O setor continua tendo o melhor desempenho neste mês entre as proteínas. As exportações do mês poderão atingir 64 mil toneladas, 20% mais do que em outubro. Em relação a novembro do ano passado, a alta é de 16%.
Em queda A exportação de carne bovina registra recuo de 1% no mês em relação à de outubro. Já o setor de aves manteve a tendência de alta, com aumento de 9% de um mês para outro.
Pé no freio O mercado interno impede as exportações de milho. As exportações do mês, até agora, caíram 24% em relação às de outubro. Tomando como base as vendas externas até agora, o país deverá exportar apenas 900 mil toneladas. No mesmo período do ano passado, foram 4,76 milhões de toneladas.
Ritmo menor As compras externas de adubos se mantêm aquecidas neste mês, em relação às de outubro. Mas o ritmo deste mês, ante o de novembro de 2015, registra queda de 16%, segundo a Secex (Secretaria de Comércio Exterior).
Milho A produtividade melhora em Mato Grosso na safra 2016/17. O Estado deverá obter 92 sacas, em média, por hectare. O volume supera as 74 sacas da safra anterior, mas é bem inferior às 109 de 2014/15.
Milho 2 A estimativa é do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária). A produção do cereal deverá atingir 23 milhões de toneladas no Estado na safra 2016/17.
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário