.

.

terça-feira, 11 de abril de 2017

IMPASSE POLÍTICO

O MBL (Movimento Brasil Livre) resiste à trégua proposta pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), após o episódio em que o grupo entrou em choque com o secretário municipal de Educação, Alexandre Schneider (PSD).
Na semana passada, Schneider postou no Facebook crítica à ação do vereador Fernando Holiday (DEM), um dos líderes do MBL, que havia visitado uma escola para denunciar o que chama de doutrinação ideológica à esquerda feita pelos professores.
O sindicato da categoria atacou Holiday, e o secretário endossou a crítica, afirmando que não era correto "intimidar professores". O MBL retrucou, Schneider pediu demissão, mas Doria, por ora, conseguiu demovê-lo de sair, como a Folha revelou no sábado (8).
Emissários do tucano procuraram líderes do MBL para tentar uma acomodação, e o prefeito diz que o episódio está superado. "Eu entendi que todos ali cometeram pequenos excessos e houve um estresse. Mas já superaram com diálogo, com entendimento", disse à Folha.
Não parece ser bem o caso. "Está tudo em aberto. O secretário foi sórdido com o Fernando, que não é um vereador qualquer. Ele comprou uma mentira do sindicato e ficou dodói. Se não sabe brincar, não desce para o playground", disse Renan dos Santos, coordenador do MBL.
"Ele [Schneider] nunca se retratou. Os diretores das escolas confirmaram que não houve intimidação alguma, e eu vou continuar ouvindo denúncias de pais e fazendo visitas", disse Holiday.
Ausente em reunião do primeiro escalão de Doria neste sábado, o secretário não foi localizado nem respondeu as mensagens. "Queremos uma retratação", diz o vereador.
Empresários, educadores, políticos e membros de organizações não governamentais lançaram um manifesto em apoio ao secretário, após os ataques do MBL.
IMPASSE
O episódio evidencia um impasse para Doria. O MBL, grupo fundado em 2014 e que foi instrumental nas manifestações que ajudaram a pressionar pelo impeachment de Dilma (PT), apoia o prefeito e já o lançou à Presidência.
O movimento é um dos maiores "influenciadores digitais" das redes sociais, ou seja, grupo com grande número de compartilhamento de suas postagens. Isso não passa despercebido pelo time de Doria.
Por outro lado, membros de sua equipe consideram que o MBL exagerou no episódio com o secretário e que, a despeito da intenção contemporizadora de Doria, há espaço para que o radicalismo do grupo gere rejeição ao prefeito entre segmentos mais escolarizados da população.
O MBL dá de ombros a essa avaliação. "Para quem enfrentou o PT, tucano é sobremesa, ainda mais tucanos de bico vermelho", diz Santos, que rejeita qualquer filiação ao tucanato. Ele diz que o grupo não considera retirar, por ora, o apoio a Doria.
"Defendemos ideologicamente o prefeito, o que ele representa. Mas ainda temos de discutir esse episódio", afirma. Para Holiday, "o prefeito está tentando resolver o problema", mas "as relações ficam estremecidas".
Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário